publicidade

Proprietário do Miami Dolphins busca vender participação minoritária na equipe

A decisão reflete uma tendência mais ampla entre os proprietários de equipes esportivas, que procuram maximizar o valor de seus investimentos
Reprodução: Miami Dolphins
Reprodução: Miami Dolphins

Stephen Ross, o proprietário do Miami Dolphins, chamou a atenção em uma conferência recente ao anunciar sua intenção de vender uma participação minoritária em sua franquia da NFL. Ross, que adquiriu os Dolphins juntamente com imóveis circundantes em 2009 por US$ 1 bilhão, viu o valor da equipe disparar para mais de US$ 6 bilhões — um aumento notável de 500%.

Essa revelação ocorre na esteira de relatos do final do ano passado indicando que Ross estava em negociações com o CEO da Citadel, Ken Griffin, em relação a uma possível venda de participação minoritária. Griffin, um bilionário do setor de fundos de hedge que recentemente transferiu a sede de sua empresa de Chicago para Miami, tem feito investimentos significativos na região, incluindo a compra de uma residência de US$ 107 milhões em Coconut Grove.

A decisão de Ross de vender uma participação minoritária nos Dolphins reflete uma tendência mais ampla entre os proprietários de equipes esportivas profissionais. À medida que as avaliações na indústria esportiva dispararam nas últimas décadas, muitos proprietários buscam capitalizar o aumento do valor de suas franquias vendendo participações minoritárias. Ao fazer isso, os proprietários podem efetivamente retirar dinheiro do negócio enquanto mantêm o controle de suas equipes.

Tradicionalmente, participações minoritárias em franquias esportivas eram sujeitas a descontos de 30 a 40% devido a fatores como liquidez limitada e falta de controle. No entanto, o cenário está evoluindo, com ligas agora permitindo uma gama mais ampla de investidores — incluindo fundos soberanos, fundos de pensão e fundos de endowment universitários — a adquirir participações em equipes. Esse pool expandido de compradores em potencial tem o potencial de reduzir os descontos ao longo do tempo, impulsionando ainda mais os valores das franquias.

Em resumo, a decisão de Ross de vender uma participação minoritária nos Dolphins sublinha a evolução contínua da propriedade esportiva e as estratégias financeiras cada vez mais complexas empregadas pelos proprietários de equipes para maximizar o valor de seus investimentos no sempre crescente cenário da indústria esportiva.

Compartilhe:

publicidade

Victor Boscato, 21 anos, jornalista, atua no mercado esportivo há 3 anos. Trabalhou como redator do Denarius e São Paulo Para Crianças.Trabalha na Neo Brands atualmente e atua como estagiário dessa agência de publicidade brasileira com foco em marketing esportivo.

Nota do editor: os textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais iconográficos publicados no espaço “opinião” não refletem necessariamente o pensamento do Sports MKT, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

POST RECENTES

Vitória do Bayer Leverkusen mostra que há luz no fim do túnel do futebol
New York Jets revela nova identidade visual
New York Jets revela novos uniformes "Legacy Collection" para a temporada 2024
Fórmula 1 anuncia retorno do GP da Austrália como corrida de abertura na temporada de 2025
Arsenal e PRIME lançam garrafa personalizada
Polêmica na distribuição de ingressos para a final da Liga Europa no Aviva Stadium